Comunicação e poder em foco no 4º Congresso da Amupe

Texto: Jadiewerton Tavares

Fotos: Cláudio Gomes

Uma das oficinas mais aguardadas no Congresso Pernambucano de Municípios na edição 2017 levou à tona a relação entre o poder público e os processos comunicacionais. A oficina temática “A comunicação e a arte do poder” contou com a presença de rostos conhecidos do meio jornalístico, acadêmico e publicitário do Estado. Foram eles: Evaldo Costa, secretário Executivo de Comunicação do Governo de Pernambuco, Juliano Mendonça que é professor Universitário e Presidente do Sindicato dos Jornalistas de Pernambuco, o blogueiro Magno Martins e o publicitário, José Nivaldo Júnior.

A oficina foi mediada pelo secretário geral da Confederação Nacional de Municípios, Eduardo Tabosa, que abriu os trabalhos abordando a importância da apropriação da notícia por parte dos gestores municipais que muitas vezes não absorvem a produção escoada por seus assessores. Já Evaldo Costa lamentou o fato de muitas equipes de gestão não proporcionarem as devidas condições para que as assessorias possam desempenhar o seu trabalho de forma plena e satisfatória. Em dado momento Evaldo chamou atenção para o papel do assessor que deve ser exatamente o de aconselhar. Ele ainda aproveitou para tecer uma crítica à postura do Presidente em exercício Michel Temer no sentido de que o comportamento de um gestor deve ser pautado dentro de um decoro próprio para um presidente. Para finalizar ele ainda colocou em pé de igualdade várias secretarias existentes em qualquer cidade: finanças, saúde, por exemplo, e é claro comunicação, ainda muito preterida nesse contexto.

Já o presidente do SINJOPE, Juliano Mendonça pautou sua participação falando da atuação jornalística tanto na área da assessoria como também com foco no cenário acadêmico e digital, levando bastante referências e fontes de pesquisa. Do ponto de vista político Juliano pontuou a evidente falta de confiança existente entre eleitor x governante, sendo esse um dos motivos primordiais pela falta de investimento dos governantes que não encaram um canal saudável de comunicação como um fator preponderante para permanecer no poder. Nesse sentido Juliano ainda citou os mecanismos de monitoramento efetuado nas redes sociais para que o controle do que se consome nas redes sociais digitais seja acompanhado e reformatado constantemente de acordo com os interesses dos produtores de conteúdo.

Magno Martins marcou presença no Congresso da Amupe fazendo uma crítica a chamada “Sociedade da informação” e aos jovens cada vez hiperconectados mas que acabam por atribuir grande parte do tempo ao entretenimento online. MM ainda trouxe a tona o mote “município real, município ideal” demonstrando a necessidade de se identificar até que ponto cada prefeito se encontra e aonde quer chegar através de uma relação mais eficaz no que concerne a comunicação. Magno, que leva a frente seu blog há mais de 10 anos, encerrou sua participação evidenciando o valor da leitura e tecendo uma observação sobre o embate (segundo o ele) entre o Governo Temer e a Rede Globo, assim como alguns dos interesses que se fazem presentes nessa relação.

O último participante foi o jornalista, publicitário e professor José Nivaldo Júnior. Na esteira das críticas, Nivaldo foi incisivo ao pontuar a relação promíscua que muitas vezes se consolida entre o eleitor x eleito, fazendo assim um alerta sobre o comportamento dos próprios cidadãos. Com 42 anos em exercício, o especialista em marketing político constatou  que todo eixo estratégico de poder, passa por uma boa comunicação e que o menosprezo e desvalorização do jornalista incide diretamente na qualidade do trabalho dos mesmos e de toda equipe de governo. Como ninguém sabe de tudo, segundo ele, um bom líder é aquele que decide, mas que escolhe especialistas em cada área de atuação. Concluindo sua participação, José Nivaldo Júnior disse que o poder público existe para resolver os problemas do povo e da classe menos favorecida ao invés de se pautar apenas pelos anseios da classe média.

Com base no tema do Congresso “A cidade que queremos” a oficina responsável por apresentar esse expressivo grupo de profissionais e assessores da comunicação em Pernambuco, foi uma das atividades com maior presença de público.

Compartilhe: