CNM alerta para o aumento dos casos de dengue no Brasil em 2022

6 de maio de 2022

O Boletim Epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde na última segunda-feira, 2 de maio, apresenta o monitoramento dos casos de arboviroses de 2022, até o dia 23 de abril e aponta um aumento dessas doenças no Brasil. O boletim apresenta as situações de dengue, chikungunya, zika e febre amarela, e pode ser acessado aqui.

Os casos de dengue aumentaram em 113,7% em relação ao mesmo período do ano passado, chegando a 542.038 casos prováveis em 2022. A maior taxa de incidência foi identificada na região centro-oeste (920,4 casos/100 mil habitantes), seguida da região sul (427,2 casos/100 mil habitantes), sudeste (188,3 casos/100 mil habitantes), norte (154 casos/100 mil habitantes) e nordeste (105 casos/100 mil habitantes). Foram confirmados 160 óbitos por dengue, sendo 147 por critério laboratorial e 13 por critério clínico epidemiológico e os Estados que apresentaram o maior número de óbitos foram: São Paulo, com 56 óbitos; Santa Catarina, 19 óbitos; Goiás, com 19 óbitos; e Bahia, com 16 óbitos.

Já em relação aos casos prováveis de chikungunya, ocorreram 47.281 casos em 2022 e quando comparados aos dados do mesmo período do ano de 2021, é identificado 40% de aumento dos casos. A Região Nordeste apresentou a maior incidência, com 65,9 casos/100 mil hab.), seguida pela Região Centro-Oeste, com 15,6 casos/100 mil hab. Foram confirmados 8 óbitos para chikungunya.

Quanto ao zika, ocorreram 2.118 casos prováveis até a SE 14, com uma taxa de incidência de 0,99 casos por 100 mil habitantes no Brasil, apresentando um aumento de 53,9% em relação ao mesmo período em 2021.

Alerta para os Municípios
A Confederação Nacional de Municípios (CNM) alerta que os dados trazidos neste boletim apresentam um alerta aos Municípios. Assim, as ações de prevenção e controle das arboviroses devem ser intensificadas e os Municípios devem elaborar estratégias para o fortalecimento da capacidade dos serviços de saúde para o diagnóstico diferencial e manejo clínico das arboviroses.

Para isso, a CNM indica uma seleção de cursos de qualificação gratuitos para profissionais do Sistema Único de Saúde, por meio de plataformas de ensino à distância:

Curso de Qualificação – Dengue: Casos Clínicos para Atualização do Manejo
Curso de Qualificação Profissional – Enfrentamento das Arboviroses
Curso de Qualificação Profissional – Zika: Abordagem Clínica na Atenção Básica
Curso de Qualificação Profissional – Atualização do Manejo Clínico da Pessoa com Chikungunya

A Confederação também recomenda uma ação conjunta entre o setor saúde e os demais setores do Município, com uma coordenação local das ações. Além disso, o Município deve manter seu Plano de Contingência para as arboviroses atualizado. As arboviroses podem caracterizar uma Emergência de Saúde Pública (ESP) em seu Município. Para saber como lidar com as ESP em seu território, a CNM disponibiliza a publicação Gestão de Emergências em Saúde Pública: Ferramentas para a gestão municipal. Confira aqui.

Foto: EBC
Da Agência CNM de Notícias


Topo ▲